Home » Blog » Baianas que se destacaram na luta antirracista

Baianas que se destacaram na luta antirracista

27/12/2017  |  às 21h40

Mais uma vez registramos aqui o protagonismo de mulheres negras baianas (ou quase baianas) que se destacaram na luta antirracista. Sem dúvida, a lista de 2017 é bem maior, afinal os nossos passos vêm de longe.

Vilma Reis

Abrindo a lista, temos aquela que é uma importante referência na luta pela garantia e ampliação de direitos das mulheres, jovens e da população negra em geral. Em 2017, Vilma Reis foi reeleita ouvidora-geral da Defensoria Pública da Bahia (DP-BA), sendo reconduzida ao cargo para o biênio 2017-2019. De militância ativa e atuante, a socióloga vem pautando e denunciando o feminicídio e o racismo.

“A gente não aguenta mais enterrar mulher”, desabafa Vilma Reis

Rosemeire dos Santos 

Uma das lideranças do quilombo Rio dos Macacos – território marcado por tensões com a Marinha do Brasil – Rosemeire dos Santos atua pelos direitos humanos das comunidades quilombolas. É pescadora e trabalhadora rural.

Tania Palma

A assistente social Tânia Palma foi presidenta da Associação de Moradores do Nordeste Amaralina, em Salvador, participou da Rede Feminista da Universidade Federal da Bahia, em movimentos de defesa à moradia, além atuar como ouvidora-geral da Defensoria Pública da Bahia. Em 2017, Tânia e outras mulheres organizaram uma série de atos em favor da vida das mulheres, a exemplo da Vigília contra o feminicídio na Estação da Lapa, em Salvador.

Maura Cristina

Coordenadora do Movimento Sem Teto da Bahia – MSTB, Maura Cristina encampa um movimento de mulheres que resistem aos processos de gentrificação do Centro Antigo de Salvador. Tendo como pauta maior o direito à cidade, Maura participa de diversas ações contra o racismo institucional.

Lindinalva de Paula

Lindinalva de Paula é educadora engajada no movimento antirracista  feminista negro. Organiza, com o apoio de outras mulheres, ações de combate à violência contra a mulher. Lindinalva foi uma das articuladoras da I Marcha de Mulheres Negras que ocorreu em Brasília, em novembro de 2015, e é uma das fundadoras da Rede de Mulheres Negras da Bahia.

Livia Maria Santana e Sant’Anna Vaz

Atua como Promotora de Justiça do Ministério Público do Estado da Bahia desde 2004. No MP, lidera o Grupo Especial de Proteção dos Direitos Humanos e Combate à Discriminação (Gehdis) e o Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher e da População LGBT (Gedem) do Ministério Público do Estado (MP-BA). Doutoranda em Ciências Jurídico-Políticas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e doutoranda em Direito pela Universidade de Paris I – Sorbonne,  Lívia recebeu este ano a ‘Comenda Maria Quitéria’, honraria entregue a mulheres que se destacam em suas atividades em benefício da população de Salvador e da Bahia. A promotora vem sofrendo duros ataques pessoais, com ofensas e ameaças, em virtude de sua atuação.

Laina Crisóstomo

Ativista pelo militante pelo direito das mulheres, Laina Crisostomo é advogada feminista, feminista interseccional,, presidenta e fundadora da ONG TamoJuntas que presta Assessoria multidisciplinar para mulheres em situação de violência. É colunista do Portal Correio Nagô, veículo por meio qual vem pautando questões ligadas ao direito, feminismo e racismo.

O que é ser advogada negra em Salvador-BA?

Denise Carrascosa

Denise Carrascosa  lidera um projeto de mulheres dentro do sistema carcerário chamado “Corpos indóceis e mentes livres”, iniciativa que há 7 anos desenvolve oficinas semanais no Conjunto Penal Feminino em Salvador/BA. O projeto tem possibilitado audibilidade e visibilidade social para narrativas de vida de mulheres encarceradas, bem como seu empoderamento pessoal para a superação da criminalização de suas existências. Doutora em Teorias e Crítica da Literatura e da Cultura pelo Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Denise é uma das integrantes do Coletivo Luiza Bairros, atuante na conquista do estabelecimento de cotas na Pós Graduação da UFBA

Lindinalva Barbosa

Foto Fafá M. Araújo

Mestra em Estudo de Linguagens e educadora para as relações étnico-raciais e de gênero, Lindinalva Barbosa é militante do movimento negro, de mulheres e de combate ao ódio religioso.  

Naira Gomes

A antropóloga Naira Gomes é militante da causa feminista negra e uma das responsáveis pelo nascimento da Marcha do Empoderamento Crespo de Salvador.

Donminique Azevedo é repórter do Portal Correio Nagô.

scroll to top